(17) 2139-6600
·
contato@gmachadoadvogados.com.br
·
Seg a Sex 08h às 17h30
Solicitar Consulta

Apple leva multa milionária por causa do iPhone

Apple leva multa milionária por causa do iPhone

Empresa deve pagar R$ 358 milhões por violação de patentes em celulares.


A Apple foi condenada a pagar multa equivalente a R$ 358 milhões por violação de patentes relacionadas ao Bluetooth no iPhone. A gigante de tecnologia foi processada pela canadense WiLan por uso indevido de propriedade intelectual e falta de pagamento relacionado a recursos presentes nas linhas iPhone 6 e iPhone 7. Ao aplicar a penalização, o júri de San Diego, nos Estados Unidos, levou em consideração o número de vendas de celulares.


Esta não é a primeira vez que a empresa sediada em Cupertino é acusada de copiar tecnologias. Recentemente a Apple foi acusada de roubar informações comerciais e utilizar invenções sobre tecnologias médicas indevidamente no Apple Watch.


Outro júri em 2018 entendeu que Apple devia pagar para a WiLan o valor de US$ 145 milhões (R$ 611 milhões em conversão direta) por ter violado patente da empresa. Entretanto, a Apple entrou com recurso para recalcular os danos finais devidos.


Houve outro julgamento em 2019 e o tribunal entendeu que a companhia precisava arcar com os ônus apontados. No entanto, a juíza distrital Dana Sabraw concedeu à Apple um novo recurso ao aceitar o argumento de que a WiLan havia feito um cálculo errado de royalties.


Uma nova proposta de valor foi apresentada para a empresa. A juíza então pediu que a WiLan aceitasse US$ 10 milhões (cerca de R$ 42 milhões) oferecidos pela Apple. Na ocasião, Sabraw informou que caso a empresa não concordasse com este valor, um novo julgamento seria feito para descobrir quanto a Apple deveria pagar. A WiLan preferiu seguir com o julgamento.


O valor dos royalties foram recalculados e a WiLan chegou finalmente ao valor de US$ 85 milhões (R$ 358 milhões em conversão direta). O pedido foi aceito pelo tribunal. Mais uma vez, a Apple entrou com recurso por suposta falta provas que apoiassem a alegação da WiLan. O júri não acatou e condenou a empresa presidida por Tim Cook a pagar o custo multimilionário.